22.12.04

Saber Receber

Geralmente «reagimos» como doentes de «receber» e muitas são as situações em que temos receio de receber.
Receber presentes, palavras agradáveis, elogios, sinais de amor, são coisas que geralmente as pessoas não conseguem aceitar, tal a visão severa que temos de nós.
Mas receber é também receber as opiniões diferentes, as proposições novas e até perturbadoras.
A maioria das pessoas funciona numa atitude defensiva.
Poucos estão abertos às diferenças, o que explica em parte os problemas da nossa Sociedade, que se caracteriza por uma enorme intolerância.

Fica aqui um bocadinho do meu presente

«Menina dos olhos grandes
do cabelo insolarado
Tu sabes que eu te adoro
sem nunca o ter cantado»

Obrigado por tudo A.


Ana Rosado Posted by Hello


Ana Rosado Posted by Hello

PREGUIÇA

A lista dos pecados capitais foi esboçada pelos primeiros pensadores cristãos, aperfeiçoada no século V por João Cassiano e fixada definitivamente por Gregório Magno, no fim do século VI. Este esquema baseava-se na existência de sete pecados principais, hierarquicamente organizados num grande exército, onde o orgulho (superbia) exercia a função de comandante supremo, seguido dos seis outros vícios, quer dizer, a inveja (invidia), a cólera (ira), a tristeza ou preguiça (accidia), a avareza (avaritia), a gula e a luxúria, os quais, por sua vez, conduziam uma multidão de pecados secundários. Embora tivessem existido outras formas de classificação (a divisão entre pecados mortais e veniais; pecados de pensamentos, palavras ou obras), a dos pecados capitais foi a mais difundida e a que mais exerceu influência na cultura medieval. Deste modo, na Idade Média a concepção do tempo, a organização do espaço, os elementos que integravam os sistemas de valores, toda a vida e visão de mundo girava em torno da presença do pecado. A esta "cultura do pecado" pode-se associar um complexo de práticas penitenciais bem como o desenvolvimento da idéia e prática da confissão, que conheceu grande desenvolvimento a partir do século XIII.
POR ISTO AQUI FICA O TRABALHO DE ANA ROSADO